...


Eu vou me acumulando, me acumulando, me acumulando. Até que não caibo em mim e estouro em palavras. (Clarice Lispector)

domingo, 27 de novembro de 2011



Não que ela achasse que seria fácil, mas talvez menos turbulento. Com um mar sempre tão revolto, fica difícil navegar. Talvez se existisse alguma outra forma, uma válvula de escape que a fizesse sentir-se melhor. Mas nada havia ou o que havia eram apenas soluções ilusórias e passageiras que não valiam a pena. Pudera ela ter uma daquelas cartas na manga que a fizessem sonhar novamente. Mas tudo o que ela tinha era solidão.
Postar um comentário