...


Eu vou me acumulando, me acumulando, me acumulando. Até que não caibo em mim e estouro em palavras. (Clarice Lispector)

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Quissá!

Eu só queria ter certeza de que as coisas que eu penso são reais e que não vão mudar ao amanhecer.
Eu queria que esse desarranjo cerebral passasse e que me fossem devolvidos todos os dias consumidos em vão.
Eu queria poder escolher o que sentir e o que pensar.
Eu queria poder dizer o que sinto, mesmo sendo eu tão inconstante e sem me sentir culpada por isso.
Eu queria ser como o poeta, que finge sua dor.
Eu queria organizar em versos todas as ideias, todos os sentimentos e emoções.
Eu queria ser poeta.
Eu queria que todo dia fosse domingo de sol.
Quissá eu pudesse ter super poderes pra realizar tais proezas.
Quissá!.
Postar um comentário