...


Eu vou me acumulando, me acumulando, me acumulando. Até que não caibo em mim e estouro em palavras. (Clarice Lispector)

sábado, 22 de maio de 2010

O mais doce beijo


Não que fosse perfeito, mas era o mais próximo disso possível.
Não pela perfeição dos pobres mortais seres envolvidos e sim pelas sensações sentidas.
Sensações essas que não conseguirei expor aqui neste papel que não é papel, talvez seja impessoal demais. O fato é que eu queria poder lhe dizer algumas coisas, queria dizer-lhe que guardo boas lembranças, principalmente daquela última noite, não aquela em que o que era doce virou azedo, refiro-me àquela na qual eu fui surpreendetemente acordada por seus doces beijos em meu rosto, momento mágico, inexplicavelmente inesquecível ao ponto de eu me perguntar como um gesto tão simples pode desencadear sensações tão complexas. Talvez seja carência e eu acho mesmo que é, mas por que? E as perguntas continuam sem resposta.

Postar um comentário